R$2,95

5% de desconto pagando com Deposito Itaú

Este livro faz parte de nossa feira de troca. Você, caro leitor, paga apenas a taxa de manuseio (2,95) e pelo frete a fim de recebê-lo em casa; e fica com o compromisso de trazer o seu livro de troca numa visita à loja física para um café e uma prosa. Se estiver em São Paulo, poderá retirá-lo em até três dias úteis após a confirmação do pagamento da taxa de manuseio e processamento. Não esqueça, é claro, seu livro para troca :D.
As regras para troca são:
1 - Limite de até dois livros trocados por vez;
2 - Um livro pelo outro (se você escolher dois livros, fica com o compromisso de trazer-nos outros dois para troca quando puder fazer a visita;
3 - Dicionários, enciclopédias e didáticos não fazem parte do projeto;
4 - O envio do(s) livro(s) da sua parte é facultativo. Em verdade, importa-nos mais a sua visita quando possível for;
5 - É vedada a utilização destes livros para comercialização.
Viu como é Simples? :)

Livro seminovo, bom estado de conservação. Miolo intacto. Sem grifos, carimbos ou anotações.

 

Deborah Levy, sul-africana radicada em Londres, é uma das vozes mais originais e transgressoras da literatura de língua inglesa. Em Coisas que não quero saber ela tece uma resposta, feminina, ao conhecido ensaio de George Orwell “Por que escrevo”, de 1946. Aqui ela reflete, literariamente, sobre as razões que a levaram a escrever, tendo como pano de fundo a África do Sul, onde cresceu e onde seu pai foi preso por lutar contra o apartheid; o subúrbio londrino em que, exilada, passou a adolescência; e Maiorca, a ilha espanhola que é como um refúgio na maturidade. Neste relato vívido e perspicaz sobre como despretensiosos detalhes da vida pessoal de uma autora podem ganhar força na ficção, Levy sugere muito mais do que de fato diz. De certa forma, uma versão atualizada de “Um teto todo seu”, de Virginia Woolf, esta elegante autobiografia literária desvela a necessidade da mulher de dizer o que pensa, de projetar sua voz e ocupar seu lugar no mundo.