R$57,00

12x de R$5,69 5% de desconto pagando com Pix ou Depósito Ver mais detalhes

O marxismo tardio
Fredric Jameson
Boitempo
ISBN:9788575591758
Idioma: Português
333 Páginas

Autor de uma das mais complexas obras filosóficas do século XX, Theodor W. Adorno (1903-1969) dedicou grande parte de sua trajetória intelectual ao estudo do conceito de totalidade e da “vida administrada” na sociedade capitalista. Sua análise do sistema econômico (ou modo de produção) é hoje considerada contribuição indispensável para a filosofia contemporânea. É a partir das três principais obras de Adorno (Dialética do esclarecimento, Dialética negativa e Teoria estética), que o filósofo e crítico literário norte-americano Fredric Jameson investiga o “marxismo tardio”. Jameson também se apóia em outros escritos de Adorno, como Notas de literatura, Mínima Moralia e o ensaio sobre Wagner para analisar a contribuição do filósofo alemão ao marxismo e propor que este, assim como outros fenômenos culturais, também desenvolve variações de acordo com o contexto socioeconômico.

“Adorno foi o analista de nosso próprio período, o qual ele não viveu pra ver, e no qual o capitalismo tardio esteve a ponto de eliminar os últimos resquícios da natureza e do Inconsciente, da subversão e da estética, da práxis individual e coletiva e, com um impulso final, a ponto de eliminar qualquer vestígio de memória do que não mais existia na paisagem daí em diante pós-moderna”, escreve Jameson. “Parece-me possível, hoje, que o marxismo de Adorno, que não foi de grande ajuda nos períodos anteriores, pode revelar-se exatamente como o que necessitamos em nossos dias”, completa.

Publicado originalmente em 1990, o livro foi lançado no Brasil em 1997, traduzido por Luiz Paulo Rouanet, em coedição da Boitempo Editorial com a Editora UNESP. Após ter esgotada a primeira edição, a obra ganha reimpressão com nova capa em 2011. Para o sociólogo Emir Sader, que assina a orelha do livro, Jameson propõe um modelo dialético para a compreensão do mundo atual, fazendo renascer com toda sua força a noção de teoria crítica como negatividade permanente e crítica social implacável. “Se ‘sem teoria revolucionária, não há prática revolucionária’, a ausência de teoria também se torna força material, mas para aprisionar as massas. Esse é o sentido de tardio no marxismo, para Jameson: ‘antes tarde do que nunca!’”.