R$50,00

11x de R$5,37 5% de desconto pagando com Deposito Itaú Ver mais detalhes
Entregas para o CEP: Alterar CEP
Nossa loja
  • Livraria Simples - Rua Rocha, 259 - Bela Vista, Sao Paulo - Próx. Metrô Trianon Masp - De segunda a sábado das 10 às 18h.
    Grátis

Desde que existe o fascismo, existe o antifascismo – também conhecido como “antifa”. Nascido da resistência a mussolini e hitler na europa durante os anos 20 e 30, o movimento antifa chegou subitamente às manchetes em meio à oposição ao governo trump, a ascensão da alt-right e o ressurgimento de grupos de supremacistas como o klu klux klan. Em uma inteligente e emocionante investigação, Mark Bray, historiador e um dos organizadores do occupy wall street, nos oferece um olhar único de dentro do movimento, incluindo uma pesquisa detalhada da história da antifa desde suas origens até os dias de hoje – a primeira história mundial do antifascismo no pós-guerra. Baseado em entrevistas com antifascistas de todo o mundo, o livro detalha as táticas do movimento antifa e a filosofia por trás dele, oferecendo insights sobre a crescente, mas ainda pouco compreendida, resistência contra à extrema-direita.

"Focado e persuasivo, O livro de Bray é muitas coisas: a primeira história mundial do movimento antifa, um guia para novos ativistas e um registro dos conselhos dos militantes antifascistas do passado e do presente."
Daniel Penny, THE NEW YORKER

"Movimentos ativistas insurgentes precisam de porta-vozes, intelectuais e apologistas, e para o momento, Mark Bray parece preencher os três requisitos: A contribuição mais esclarecedora do livro é sobre a história das lutas antifascistas no século passado, mas a mais relevante para agora é a justificativa para impedir discursos de ódio e derrotar os racistas."
Carlos Lozada, THE WASHINGTON POST

"Rapidamente publicado logo após o presidente dos EUA dizer que havia 'pessoas boas em ambos os lados' nos confrontos em Charlottesville, o guia de Mark Bray fornece táticas para aqueles que desejam derrotar o ressurgimento da nova direita."
Alison Flood, THE GUARDIAN